FlatOut!
Image default
Car Culture

Príncipe Philip, o Duque de Edimburgo, também era um entusiasta

O Príncipe Philip, Duque de Edimburgo e marido da Rainha Elizabeth II, morreu no começo deste mês aos 99 anos de idade – dois meses antes de se tornar centenário. Nascido nas Grécia em 10 de junho de 1921, ele conheceu a Rainha em 1939 durante uma visita ao Colégio Naval de Dartmouth, no Reino Unido. Os dois começaram a namorar pouco depois e, em 1946, Philip pediu a mão de Elizabeth a seu pai, o Rei George VI. O casamento foi anunciado em 1947, quando o Príncipe Philip abandonou seus títulos de nobreza gregos e se tornou membro da Família Real Britânica, tornando-se o Duque de Edimburgo.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Philip e Elizabeth se casaram no mesmo ano, e o Príncipe passou a ser o consorte real da Rainha – título que manteve até sua morte. Com isto, ele foi o consorte mais longevo na história da Inglaterra, o homem mais velho da Família Real, e o terceiro membro mais velho da realeza (superado apenas por sua sogra, Elizabeth I, que morreu aos 101 anos; e pela Princesa Alice, Duquesa de Gloucester, que viveu até os 102).

Sendo assim, o Príncipe Philip testemunhou muita coisa ao longo da vida. Ele nasceu dois antes da primeira edição das 24 Horas de Le Mans, cinco anos antes da construção de Nürburgring Nordschleife; e já tinha seus 26 anos de idade quando o Land Rover Defender, seu veículo favorito, foi criado em 1947. Sim – como bom monarca britânico (nascido na Grécia, mas tudo bem), o Príncipe Philip nutria um apreço enorme pela Land Rover, ao ponto de ter escolhido pessoalmente um Defender para ser seu carro funerário. E ele até ajudou a projetá-lo há alguns anos, sabendo que não teria muito mais tempo nesse mundo.

Não há dúvida de que o Príncipe Philip era entusiasta, ou ao menos gostava bastante de carros e de dirigir. Ele só abandonou o volante – por vontade própria – em fevereiro 2019, aos 97 anos de idade, depois de envolver-se um acidente que deixou seu Land Rover Freelander capotado após bater em um Kia. Segundo nota oficial do Palácio de Buckingham na época, o príncipe entregou sua carteira de motorista voluntariamente “após cuidadosas considerações.”

Com que idade ficamos “velhos demais para dirigir”?

Ao menos o Príncipe Philip não podia se queixar de ter dirigido pouco ao longo da vida. Bem ao contrário, na verdade: ele dirigiu muito – por cerca de oito décadas. E ainda deu umas escapulidas depois de entregar o documento.

Se quiser saber quando o Duque de Edimburgo começou a dirigir, boa sorte tentando descobrir – quando ele fez 18 anos, idade considerada padrão para tirar a carteira de motorista no mundo todo, a Segunda Guerra Mundial estava prestes a começar e ele logo foi servir como oficial da Marinha Real, defedendo a Coroa com honras e promovido a lugar-tenente em 1942. Quando o conflito acabou, Philip provavelmente já sabia se virar ao volante de qualquer coisa.

Ao longo da vida, o Duque de Edimburgo foi visto ao comando dos mais variados veículos. Ele foi o primeiro membro da Família Real em toda a história a conduzir um helicóptero – e o fez na cerimônia de coroação de sua esposa, inclusive, para dar boas vindas à nova Rainha e saudar as tropas que participaram do evento. Ao longo dos anos, o príncipe participou de diversas cerimônias militares e sempre dava um jeito de dar uma voltinha nos veículos – talvez até para relembrar seus tempos na Marinha.

Quanto aos carros mesmo, não há tantos registros “oficiais”. Existem, contudo, relatos que demonstram o gosto do príncipe pelos automóveis. Em uma carta datada de 1939, a Rainha Elizabeth II (que ainda era uma princesa), escreveu:

O Príncipe Philip gosta de dirigir, e dirigir rápido! Ele tem um MG pequenininho do qual tem muito orgulho – ele me levou para dar uma volta nele uma vez, e nós fomos até Londres. Foi bem divertido, mas parecia que eu estava sentada direto no asfalto, e as rodas ficam quase na altura da sua cabeça!

Podemos ver que quem entende, entende – e quem não entende, estranha. O MG em questão era um clássico T-Type, o clássico que ajudou a transformar a MG em uma fabricante de esportivos icônica (inspirou o MP Lafer brasileiro, claro).

Depois da coroação, o Príncipe Philip teve outros automóveis para uso pessoal. Há registros do monarca dirigindo um Alvis TD21 Series II Drophead Coupe, conversível esportivo fabricado entre 1958 e 1963 com carroceria Park Ward e motor seis-em-linha de três litros; e um Lagonda 3-Litre – que como o nome diz, também tinha três litros e foi produzido pela Aston Martin entre 1953 e 1958, sendo parte da linha Lagonda da era David Brown.

O espelho no para-lama esquerdo foi uma adição especial para que a Rainha pudesse ajeitar seus famosos chapéus enquanto passeava com o marido. O carro também tinha um telefone no painel, e o sempre bem-humorado Duque de Edimburgo passava trotes nos filhos Charles e Anne (para imenso desgosto de ambos).

O Alvis do Príncipe Philip

Em 1966, o príncipe comprou um Reliang Scimitar, shooting brake com pegada esportiva e janelas laterais traseiras que iam até o teto – e também comprou um para sua filha, a Princesa Anne, porém com carroceria cupê.

O Scimitar foi um dos últimos carros que o Príncipe Philip comprou para seu próprio uso. Depois dele, na maior parte do tempo ele utilizava veículos oficiais, que pertenciam à Coroa – e quase sempre eram modelos da Land Rover. Isto porque, ao lado da Jaguar, a lendária fabricante de utilitários recebeu a chamada Royal Warrant of Appointment – algo como “Garantia de Indicação Real”, documento emitido a empresas ou organizações que simboliza a confiança e o usufruto de produtos ou serviços pela Coroa. Ele também garante aos contemplados o direito de anunciar o fato publicamente.

A única exceção, nos anos mais recentes, foi um táxi Austin FL2, também conhecido como Metrocab. O príncipe comprou um exemplar para poder dirigir “disfarçado” pelas ruas de Londres – embora fosse quase sempre reconhecido pelos súditos (afinal, muitos deles são verdadeiramente obcecados por tudo o que os membros da Família Real fazem). Em 2017 ele entregou as chaves do carro porque já não se sentia muito bem para dirigir, e o táxi foi levado ao Museu de Sandringham para exposição.

 

É por isso que, na contracapa dos carros da Jaguar e da Land Rover/Range Rover, há um vistoso certificado Foi o Rei George VI, sogro do Príncipe, quem emitiu o Royal Warrant à JLR – apenas os três membros de mais alta hierarquia na Família Real podem fazê-lo. (A Aston Martin, graças ao Lagonda 3-Litre, também possui o Royal Warrant.)

Foi por causa disso que o Príncipe Philip passou a admirar cada vez mais os Land Rover ao longo da vida – ele tinha acesso irrestrito a qualquer carro da frota real, afinal. E também foi por esta razão que ele decidiu, poucos anos antes de morrer, colaborar no projeto de seu próprio carro funerário.

Just stick me in the back of a Land Rover and drive me to Windsor – “Só me coloquem atrás de um Land Rover e me leve para Windsor” – era a frase que Philip costumava dizer à Rainha quando falava de seu funeral. E é exatamente isto que vai acontecer: o Defender picape customizado com uma tampa na caçamba para acomodar o ataúde. O funeral do príncipe acontecerá no próximo sábado, dia 15 de abril, e mais de 30 pessoas, entre membros da realeza de outros países e representantes das Forças Armadas, foram convidadas a prestar as últimas homenagens ao Príncipe Philip.