A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #241

Project Cars #241: a história da Chevrolet D20 que era meu sonho de infância

Olá, galera do FlatOut! Primeiramente queria dizer que é uma honra escrever aqui, nunca me imaginei fazendo isso e  nunca imaginei que minha D20 seria tão bem votada! Agradeço muito a todos que votaram e me deram essa oportunidade. Bom, permitam me apresentar: meu nome é Petrus, tenho 22 anos, moro do interiorrrr de SP e tenho essa D20 desde os meus 18 anos.

Essa caminhonete foi comprada 0km pelo meu Opa (avô em holandês) em 1994. Uma D20 branca, Custom S (a versão de entrada), motor S4 aspirado com 92 cavalinhos e sem nada a mais — não tinha nem ar quente. O Opa comprou pra trabalhar, e ele nunca foi de luxo…

Os únicos opcionais que vieram foram acessórios instalados na concessionária: rodas largas aro 15 com pneus radiais 31×10.5R15 (na custom S geralmente vinham rodas estreitas aro 16 com pneus 215/80R16) e faixas da D20 Deluxe. Nunca tive a oportunidade de perguntar pra ele, mas meu pai me disse que ele não pediu nada disso — ela estava na concessionária já com esses acessórios, e como estava em pronta entrega, foi ela mesmo.

foto01

Foto mais antiga que tenho dela, set/94

O serviço que ela tinha que fazer era basicamente o deslocamento até a fazenda (somos produtores de grãos), através de estradas de terras, e carregar insumos, peças, sementes, o que fosse preciso.

Pois bem, meu Opa ficou com ela de 1994 até 1996, quando ele comprou outra D20 0km (também Custom S e também com motor S4, dessa vez azul metálico) e assim ela passou para o meu pai, que tinha uma D20 vermelha 1988 que foi pra uso do Zé, encarregado da fazenda.

Então em 1996 ficou assim, meu avô de D20 1996, meu pai de D20 1994, a que hoje é minha, e uma outra 1994 vinho que era o “carro de passeio”, a D20 1988 na fazenda, e meu tio tinha uma D20 1992 (antes disso a 1988 era dele e ele também teve uma 86 se não me engano, não tenho certeza do ano).

Além dessas depois foi comprado mais uma 1993 pra fazenda, e mais recentemente uma Silverado S4 (que é uma D20 com roupa de festa).

Bom, da pra entender porque eu gosto de D20 né? Hehe

foto02

A esquerda a 96 do Opa, no fundo a branca e a direita a 92 do tio. Opa em cima da D20, meu pai de boné verde e meu tio bem a direita

Vamos focar na minha agora. Meu pai ficou com ela até 2009, quando trocou por uma F250. De 2009 até 2011 ela ficou com o Zé (lembram dele?) e finalmente, em 2011, chegou o grande dia e ela veio parar em minhas mãos!

 

Primeiros Upgrades (nas mãos de meu pai)

Pois bem, vcs se lembram que eu disse que ela era uma Custom S, básica de tudo? Pois é, era! Isso começou a mudar ainda na mão do meu pai. Em 2006 depois de 12 anos de trabalho ela já estava bem cansada, pintura meio fosca, fazendo barulho, pequenos amassados, caçamba surrada etc.

Foi aí que depois de certa insistência minha, na época com 13 anos, e da minha mãe, meu pai resolveu dar uma reformada geral nela.

foto03

Pouco antes da reforma

Essa foi a primeira e maior reforma pela qual ela passou. Foi desmontada até o chassi, pintada, bancos reformados, mecânica revisada, faixas novas, som (que até então não tinha), além de travas elétricas e alarme. Aí ela começava a tomar forma. Infelizmente eu não tenho fotos dessa reforma. Não sei por que, mas não tenho.

Logo que voltou, eu lavava ela todo final de semana, isso que na segunda-feira o pai já ia pra fazenda de novo e sujava tudo. Foi em 2006 também que comecei a participar do fórum PicapesGM, e mesmo sendo muito novo fui muito bem recebido e tirei várias dúvidas, além de aprender muito! Até hoje faço parte do fórum e recomendo para quem quer aprender mais sobre as picapes da Chevrolet.

foto04

Carregada com 1ton de aveia

Em 2007 certo dia a D20, já com seus 450.000km começou a fazer muita fumaça branca, o pai olhou o óleo e tava baixo, completou, no final do dia tava baixo de novo. Como o serviço estava intenso, ele rodou uns cinco dias assim, colocando 1L de óleo por dia e aí parou pra arrumar, já sabendo que provavelmente era coisa grave.

Um anel tinha quebrado e se soltado, riscado profundamente a camisa, e fazendo uma quantidade muito grande de óleo ser queimada. A solução era mandar para uma retífica e, como não tinha outro jeito, então o pai aprovou que fizessem.

Sempre pesquisando na internet e no PicapesGM, já fui fazendo a idéia do pai pra aproveitar e instalar um kit turbo, diferentemente de carros a gasolina, nos diesel é muito comum o pessoal instalar turbo nas picapes aspiradas, arrisco dizer que a maioria das aspiradas originais hoje rodam com turbo.

De primeiro momento o Pai não foi muito a favor, mas nem lembro como acabei convencendo-o. E na época eu tive a missão de escolher o modelo da turbina.Tinha três modelos disponíveis: a APL240, que era menor, entrava antes e tinha uma pegada mais arisca, uma intermediária que não lembro o nome, e a TB4125, grandalhona que entrava mais suave e só na pista em altas rotações.

Adivinhem qual foi a escolhida? Pois é hehe, a APL240.

foto05

Turbina novinha

foto05-1

Motor logo que saiu da retífica

Bem foi montada essa APL, ainda com a regulagem da bomba injetora original, e 0,7 ou 0,8kg de pressão. Logo que o pai andou ele falou aquilo que todos que turbinam uma caminhonete aspirada falam: por que não fiz isso antes?! Caminhonete ficou bem mais forte, muito mais silenciosa e de quebra manteve os seus 10km/l.

Bom, a D20 que era básica começava a ficar mais equipada.

Em 2008, também não lembro muito como, acabamos convencendo o Pai a colocar um ar-condicionado na D20. Foi adaptado numa cidade meio longe daqui e de novo ficou aquela sensação: por que não fiz isso antes?! Agora era andar só de vidros fechados, sem poeira, mais silêncio na rodovia, só alegria.

E a cada modificação dessa, a cada lavada, eu já ficava contente, mesmo não sendo minha.

foto06

Dia a dia na fazenda

Em 2009, a D20 já bem melhor do que era originalmente e eu já com meus 16 anos almejando-a pra quando eu fizesse 18, meu pai decidiu comprar outra caminhonete pra ele, na época fiquei até meio triste, pois tinha medo da D20 acabar indo embora, depois de tanto esforço, tanta coisa feita e ver o sonho indo embora…

Acabou ficando decidido que o Zé (lembram dele?) ficaria com a D20 até eu completar 18, e que se eu fizesse por merecer, as condições financeiras estivessem boas e eu passasse numa faculdade pública sem cursinho (cláusula mais importante, pois assim o dinheiro que iria para as mensalidades serviria pra caminhonete) a D20 seria minha.

O Zé já não usava mais a D20 88 e estava com a 92 que era do meu tio, e eu sabia que ele cuidava bem, então não achei ruim. Lembro que foi pedido pra ele cuidar bem dela pra mim.

foto07

Última foto que tirei antes dela ir pro Zé, essa foto tem uma cara de despedida, não tem?

Em 2010 aos 17 anos passei na Unesp em Engenharia Agronômica! Jóia, metade do sonho já estava garantido, ainda faltava eu tirar minha CNH e o pai estar em condições pra comprar outra caminhonete pro Zé pra ficar no lugar da D20.

Em 2011 completei 18 anos e, como todo gearhead aos 18 anos, assim que fiz aniversário estava na auto escola com todos os documentos necessário já em mãos. Até que certo dia o pai deu a boa notícia: poderíamos comprar outra caminhonete e eu poderia ficar com a D20!

Pensem na felicidade do garoto!

Para o Zé foi comprada uma Hilux nova, modelo básico com motor 2.5, mas 4×4 e cabine dupla. Inclusive o Zé veio falar comigo que se caso eu quisesse, eu poderia pegar a Hilux que ele continuava de D20 numa boa.

Nem pensar! Eu queria a D20!

Muita gente foi contra, todos diziam: “Mas você vai pegar essa caminhonete velha?”, “Como você vai ficar viajando nela?”, “Porque vc não pega uma saveiro nova?” etc…

Agradeço à minha namorada e ao meu pai que me apoiaram — principalmente ao meu pai, pois se não fosse ele eu não teria a D20!

Na época eu tinha bem forte na minha cabeça que não adiantava eu pegar outra coisa, pois sempre que eu olhasse pra D20 na fazenda eu ia ficar pensando, tinha que ser a D20! Aprendi a dirigir nela, fui muito pra fazenda com ela em companhia de meu pai, idas a prainha, lavava ela quando era mais novo, levava o cachorro pra passear, enfim desde cedo gostava muito dessa caminhonete!

foto09

Sou o de calça verde

Dois dias depois de chegar a minha carta, eu já estava com a D20 em mãos. Ela estava nesse estado:

foto10 foto11

No próximo post detalharei melhor como ela estava e as primeiras mudanças..

Qualquer dúvida ou curiosidade comentem! Ficarei feliz em responder. Até lá!

Por Petrus Veldt, Project Cars #241

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #468: a história do meu BMW 325i E36… comprado sem motor!

Leonardo Contesini

Em busca de um Passat Variant B3 – a história do Project Cars #90

Leonardo Contesini

Aletta Rossa: a história da minha Agrale SXT 16.5 1987, o Project Bikes #484

Leonardo Contesini