FlatOut!
Image default
Project Cars

Project Cars #533: hora de colocar o Mini JCW na pista


Por Filipe Falcão, Project Cars #533

Fala, Flatouters, como vocês estão? Finalmente chegamos no projeto em 2021 e agora chegou a hora de colocar em prática o que instalamos no carro e verificar se tudo deu certo.

Amaciamento do motor – Dezembro/2020

Carro ficou pronto em dezembro de 2020 e a ansiedade para pegar o carro? A sensação de dever cumprido e que valeu a pena esperar a montagem do motor era nítida. Como vimos no projeto do Uno do Goodguys, o amaciamento do motor é fundamental para garantirmos a durabilidade do conjunto novo e literalmente, segui à risca o que me foi orientado pela oficina. Me deram 2 mandamentos simples. 1ª: Jamais passarás das 4 mil rotações por minuto. 2º: Andarás 1.000 km e trocarás o óleo do motor.

Como devem imaginar, rodei 1000 km em pouco mais de 1 semana, utilizando o carro no final de semana para uma viagem mais longa de 500 km totais e ao longo da semana pequenos trajetos menores que concluíram estes 1000 km. Assim feito, trocamos o óleo, verificamos e revisamos totalmente o carro abrindo a tampa de válvulas e uma inspeção inferior do carro. Para nossa alegria e satisfação o motor estava impecável sem nenhum tipo de vazamento e agora tinha o aval para passar dos 4 mil rpm.

Pronto e limpo

Haras Tuiuti – Janeiro/2021

Para a estreia do Mini forjado na pista participei do trackday da TCR, aqui meu muito obrigado ao meu amigo e organizador Thomas. Nunca tinha andado nessa pista que é cenário de gravações do FlatOut e outros grandes canais. É uma pista um tanto quanto técnica e traiçoeira. Se errar uma curva específica a qual não me lembro o nome, é barranco sem dó. Não mexemos e absolutamente nada em termos de mapa, portanto fomos com o que o carro tinha. Conseguimos virar um tempo de 1:14:899, o que rendeu o sétimo lugar geral e este foi um dos melhores trackdays que participei pelo ambiente animal que tivemos entre alguns amigos muito próximos. Rolou até uma competição saudável entre mim e mais dois amigos como Minis e obviamente fomos para a pista os três juntos para brincar. Um dos momentos mais animais de track que tive. Aqui meu muito obrigado para vocês, vocês são f****!!!

O resumo deste track é que o carro ficou muito bom, deixando um gostinho de quero mais. Percebi que me faltou chão do carro no sentido de lixar muito mesmo sendo pneus radiais bons.

 

Blocante Torsen – Março & Abril/2021

Com isso veio a famosa pergunta, como podemos melhorar isso? E pesquisando algo que é bem utilizado para a maioria dos carros de performance, inclusive para drift são os blocantes torsen. Resumindo bem, esta concepção de blocante distribui para as rodas 50% da tração para a outra roda quando há uma perda de aderência através de um conjunto de engrenagens. Isso resulta não só em uma melhora de tração como uma curva ainda mais rápida, afinal, conseguimos tangenciar a curva de um modo mais eficiente. Para tudo que é bom, tem algo que lhe impede certo? Qual o problema então? Com a alta da moeda estrangeira, aumento de taxas e custo de frete de importação se tornou absolutamente inviável de trazer um torsen da Quaife por exemplo. E então, o que fazer? Simples, “if you cannot afford it, build it”.

Entrei em contato com uma empresa brasileira famosa por fazer engrenagens forjadas e falando com a área da engenharia perguntei se teriam a vontade de topar o desafio. Me responderam que sim, mas que precisariam do diferencial aberto para se basear nele em medidas para a confecção do mesmo. Resumindo a história, meu carro ficou quase 60 dias pegando pó na oficina esperando a conclusão do desenvolvimento que não foi fácil. Tivemos algumas dificuldades, mas com dedicação e empenho de todos, conseguimos desenvolver aqui no Brasil!!! E chegou a hora da instalação, ocorreu quase tudo certo, um pequeno acerto na carcaça externa tivemos que realizar pois deu diferença de medida, feito isso, foi instalado e meu caros, que absurdo de diferença. Carro mudou da água para o vinho.

Blocante brasileiro

 

Interlagos – Maio/2021

Enfim, chegou a hora de colocar o filhote no templo brasileiro e ver o que acontece. Andamos no dia 21 de maio, no finalzinho da tarde e conseguimos abaixar o tempo do mini de 2:04:2(2020) para 1:59:2, virando P2 do dia na categoria Dianteira Turbo. Carro estava na mão, afiado e afinado como deve ser, dei poucas voltas por ser uma bateria de 1 hora. Pensa em uma turma, eu e meus amigos, tudo doido de feliz pulando igual uns malucos, éramos nós.

Como sempre fazemos, sempre após todo trackday trocamos o óleo, fluido de freio e uma inspeção geral nas pastilhas do freio, disco e suspensão. Tudo perfeito.

Próximo passo, vamos ver o que podemos melhorar…

Dica de ouro que aprendi depois de alguns trackdays, calibragem de pneu muda e muito o comportamento dinâmico do carro. Portanto vale a pena aferir e ir tirando ou colocar mais pressão nos pneus de acordo com o setup do seu carro. Cada carro e dono é de um jeito, isso varia muito de um gosto, mas o ideal pelo que pesquisei é começar com uma pressão mais baixa nos 4 pneus (30 psi), e ao longo das voltas deixar a frente (se tração dianteira) com um pouco menos de calibragem e a traseira um pouco mais solta (pressão maior). Importante é ir em doses homeopáticas, afinal, o carro vai jogar a traseira de um modo mais arisco toda vez que aumentar mais a pressão dos pneus traseiros.

 

Novo Mapa e turbina com eixo e rotor um pouco maiores – Junho/2021

Fizemos um novo rotor melhor para a turbina, modificação feita pela HP Turbos. O que gostei bastante é que fizeram uma série de reforços estruturais na turbina que melhoraram até a lubrificação por óleo. Instalada a turbina é hora de fazer o mapa para um motor forjado, o que significa que podemos colocar mais torque no carro, visto que as bielas são mais resistentes. Um motor forjado não quer dizer que ele não possa quebrar, mas sim que ele é mais resistente ao risco de quebra. O pessoal da BTM trabalhou em um mapa 100% podium e me questionaram qual seria o uso que comentei que usava o carro para estradas e trackdays. Assim chegamos em um resultado interessante para o carro. Foram 271 whp e 42,5 Kgf.m de torque nas rodas.

 

Trackday do FlatOut – Novembro/2021

Para este trackday, colocamos um novo jogo de rodas tala 7,5 e um jogo de pneus sensacionais que dariam um belo resultado. Utilizamos na dianteira um jogo novo de Advan Ad052 na medida 205/45 R17 e na traseira um jogo seminovo de Trofeo R na 205/45 R17. Carro estava muito gostoso de andar e o mapa fez bem para o carro. Esses pneus da Yokohama são um absurdo de bons e igualmente é o seu desgaste. Conseguimos virar 1:45:545 com um pouco de trânsito na pista, mas por algum motivo até então não identificado, senti após umas 10 voltas que o freio abaixava o pedal, ocasionalmente, o que causou estranheza visto que usamos Aeroquip e o fluido era novo. Assim decidimos não andar mais, apreciamos o evento e mais tarde descobrimos que cubo da roda estava soltando (ainda bem que paramos!).

Com muita sorte, devido a uma quebra de outro carro nos 30 minutos separados para os carros mais rápidos, acabei levando o P1 da tração dianteira turbo. Aqui um abraço para meu amigo o Max Loeffler e aquele Gol monstruoso, aquele carro é sensacional deu muito trabalho para o Mini e se não fosse o imprevisto acima, com certeza teria levado o P1 com muito merecimento.

 

Atualizações de Dezembro/2021

Felizmente aquele susto na Capuava foi resolvido, trocamos os dois cubos dianteiros para eliminar os problemas e assim partimos para uma das últimas etapas deste carro, ou penso que será. Aproveitando a Black Fraude, acabamos comprando as Coilover Street da D2 Racing que chegaram na primeira semana de Dezembro e foram instaladas na Suspentecnica em São Paulo na semana seguinte, aqui fica meu muito obrigado a todo time de lá.

Aprendi diversas coisas e descobri que o que não falta é coisa para aprender. As Coilover da D2 são de boa qualidade, mas a principal diferente entre uma Bilstein, Ohlins é principalmente a constância. Enquanto uma D2 resiste a 3-5 voltas em pista, essas outras duas por exemplo não perdem performance mesmo com mais voltas. Como o objetivo é ser mais pista, mas sem deixar de ser street legal, as D2 são uma ótima opção e a um custo x benefício mais interessante. O acerto da geometria de suspensão neste momento foi feito para uso em rodovia e pesamos o carro para ver sua distribuição de peso.

Chega a ser surreal para um carro com o tanto de coisa que o Mini tem! 1172 kg e uma distribuição de peso lateral de 49.8%. Para termos uma referência uma GT3 992 que estava lá fez este mesmo teste e o peso lateral ficou em 49.9%. Nada mal Mini!

O último passo desse ano foi a confecção de uma barra estrutural traseira parafusada onde trava o encosto dos bancos traseiros que não levam ninguém e, portanto, removemos.

Para o começo do ano que vem faremos um trackday logo em janeiro, um forro traseiro de modo a deixar sem os bancos traseiros e semelhante ao que vemos no Mini Gp2 que até onde sabemos, não temos unidades aqui no Brasil. Pelo que vejo, estamos chegando ao fim do Project Cars #533. E gostaria de agradecer a cada um de vocês amigos e leitores do Flatout assim como eu. Obrigado por todo carinho e atenção aos textos que escrevi. Desejo a todos um Feliz Natal e um próspero ano novo!!!

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como