A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Saturn: o nascimento e a morte de uma marca incompreendida

Encaremos a realidade: hoje em dia dificilmente uma fabricante criaria uma nova marca para tentar explorar um novo segmento. Fora as start-ups que dão sorte (leia-se: fazem tudo direitinho), a tendência na indústria automobilística é praticamente oposta – aglomerar marcas sob enormes guarda-chuvas, diluir custos e compartilhar recursos para atender a mais segmentos gastando menos. Este modus operandi traz alguns efeitos colaterais não muito bacanas – como o tal "design global", que está acabando com a personalidade dos automóveis; e a escassez de carros realmente divertidos de guiar, que estão se tornando, cada vez mais, produtos de nicho. Na virada da década de 1990, porém, esta realidade estava distante – talvez fosse até impensável. A identidade das fabricantes era muito mais forte e muito mais importante do que hoje. Se você dissesse a um fã da Opel que, dali a 30 anos, sua marca favorita da General Motors estaria no mesmo grupo que a Peugeot e a Fiat, ele daria gargalhadas na

Matérias relacionadas

A história do Chevrolet Corvette | Parte 3: a terceira geração… e a decadência

Dalmo Hernandes

Adeus, SLK: a trajetória do pequeno roadster da Mercedes-Benz

Dalmo Hernandes

Italdesign Aztec: dois cockpits e a promessa de um futuro que nunca aconteceu

Dalmo Hernandes