FlatOut!
Image default
Car Culture

A evolução do design automotivo | Parte 5: a ousadia dos anos 80


Neil Young, que foi parte do Crosby, Stills, Nash & Young e também construiu uma frutífera carreira solo galgada no folk e no rock, decidiu experimentar uma nova sonoridade nos anos 1980. Assim, em 29 de dezembro de 1982, foi lançado o álbum Trans. Quem estava acostumado com a harmonia do trabalho de Neil Young no CSNY, com a música intimista de trabalhos como Harvest, de 1972, ou mesmo com a crueza de seus álbuns com o Crazy Horse, estranhou muito o que se ouvia em Trans. Em seis das nove faixas a voz do cantor estava praticamente irreconhecível com tantos efeitos, havia batidas eletrônicas dançantes, e teclados que pareciam prever o nascimento do new wave. Foi o primeiro álbum solo de Neil Young pela gigante Geffen Records, que pagou a ele US$ 1 milhão por cada lançamento e garantiu total controle sobre o processo criativo. https://www.youtube.com/watch?v=WoczMhj6bm8 Naturalmente, Trans foi recebido de forma fria pela crítica e pelo público – e, ao lado do álbum seguinte, Ev