A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Pensatas

A evolução e as possibilidades do painel digital

Painéis digitais nos automóveis já não são novidade, e atualmente eles estão por toda a parte. Foi-se o tempo em que eles eram exclusividade dos carros mais caros, fossem de luxo ou esportivos. E eles também já não são mais vistos como uma excentricidade, um sinônimo de sofisticação ou um gadget – na verdade, se aproxima cada vez mais o momento em que eles serão exigência em qualquer carro novo. Um sinal disto é que, em alguns casos, os instrumentos analógicos é que são vistos como um luxo, uma característica marcante. Um exemplo é o atual Porsche 911 992, que fez questão de manter o conta-giros analógico no centro do painel, enquanto os demais mostradores são telas digitais de alta definição. O GMA T.50 (sim, ele de novo) é outro: Gordon Murray reservou alguns instantes de sua apresentação para deixar claro que o conta-giros analógico de seu hipercarro era uma das coisas de que ele não abriria mão. Podemos fazer uma analogia simples com os relógios digitais e os cron

Matérias relacionadas

O ronco mágico do 412 T1, o carro que fez a Ferrari voltar a vencer na F1

Dalmo Hernandes

Como o preconceito no trânsito faz de você um motorista pior

Gustavo Henrique Ruffo

AMC: a história da fabricante que ousou encarar as gigantes de Detroit – parte final

Dalmo Hernandes