A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Pensatas

A importância (e os incidentes!) por trás dos nomes dos fabricantes

"Oi Tim, você está Vivo? Claro!" Este trocadinho infantil é algo que nunca falhou em me fazer rir, mesmo anos após ouvi-lo pela primeira vez. Sempre achei engraçadíssima essa atual mania empresarial de se criar nomes curtos inventados para as "organizações econômicas, civis ou comerciais, constituídas para explorar um ramo de negócio e oferecer ao mercado bens e/ou serviços." Outro dia, tomando um pingado no balcão, eu disse para o Manoel: o nome da padaria está totalmente ultrapassado. "Padaria Nossa Senhora de Lourdes", afinal de contas, é algo do tempo do Onça (quem quer que seja esse Onça). Melhor bolar um nome novo, envolvendo noções intrínsecas de pão, qualidade, superioridade, e que seja inventado, não signifique nada realmente, para não ofender ninguém, ou ter que pagar taxas de propriedade industrial. Nossa Senhora de Lourdes, parece, não registrou seu nome, mas os menos abençoados normalmente o fazem, então cuidado é necessário. O Manoel não entendeu o papo e

Matérias relacionadas

Os quatro que deixei escapar

Marco Antônio Oliveira

O carro elétrico será viável em escala universal?

Leonardo Contesini

O Jaguar E-Type de Horacio Pagani e uma pequena reflexão

Dalmo Hernandes