A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

A incrível e trágica história do IBAP Democrata

Há alguns dias o Marco Antonio Oliveira escreveu uma ótima reflexão sobre a indústria automobilística nacional – ou melhor, sobre a falta dela e os motivos de não existir uma fabricante genuinamente brasileira, com modelos concebidos, fabricados e vendidos no Brasil. No texto, o MAO cita como exemplo a Gurgel. É complicado falar da Gurgel porque há muita paixão envolvida, mas ao mesmo tempo não é preciso pensar muito para concluir que, com ou sem incentivos estatais, a empresa estava fadada ao fracasso. Não por culpa de todos os seus produtos – os utilitários como o X12, por exemplo, eram competentes. Mas os minicarros, como o BR800 e o Supermini, por mais simpáticos e excêntricos que fossem, ainda não estavam prontos para concorrer com os projetos das grandes fabricantes. Hoje em dia eles são objetos interessantíssimos para se ter em uma coleção, e como documentos históricos de outros tempos. Mas, como carros, não tinham muito para onde correr. Já prevejo discussões acaloradas

Matérias relacionadas

Alcyone SVX: quando a Subaru decidiu fazer um carro esportivo de luxo com um boxer de seis cilindros

Dalmo Hernandes

New Beetle RSi: quando a Volkswagen deu um VR6 de 225 cv ao “novo Fusca”

Dalmo Hernandes

Quando a Ford tentou fazer um Fiesta com motor de dois tempos

Dalmo Hernandes