A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Pensatas

As carroças do Collor, revisitadas

“Comparados aos carros do primeiro mundo, os carros brasileiros são verdadeiras carroças.” – Fernando Collor de Mello, Bonn, Alemanha, 2 de fevereiro de 1990. A indústria automobilística, como qualquer indústria capitalista, não opera por princípios morais. Nem deve: essencialmente deve ser uma máquina de fazer dinheiro. Alfred Sloan já dizia isso da GM há cem anos atrás: “Não estamos no negócio de fazer carros. Estamos no negócio de fazer dinheiro, vendendo carros.” Um raro caso de verdade dita sem pudor: o discurso nunca é assim tão explícito. Nós, como entusiastas do automóvel, e não do dinheiro, não gostamos de ouvir isso. Mesmo porque tal coisa acabaria com a criatividade e inovação de verdade: existiram sim empresas que acreditam que fazer carros deve vir antes do dinheiro. Dezenas, talvez centenas delas: algumas já mortas, outras hoje prosperando e invertendo o objetivo original, algumas apenas sobrevivendo. Mas existiram. Só assim se explica a sobrevivênci

Matérias relacionadas

Perfume de carro antigo.

Juliano Barata

O conflito de gerações da cultura automotiva

Leonardo Contesini

Couro automotivo: dos sintéticos camuflados ao saudoso Connolly Leather

Juliano Barata