A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Casamentos fracassados: quatro fusões que deram errado

Desde o início dos anos 1980, consolidação tem sido o mantra da indústria automobilística. Depois dos terríveis anos 1970, tudo havia mudado. Ao encarar um mundo onde legislações de segurança passiva, emissões, e economia de combustível eram cada vez piores, a indústria descobriu que não era mais possível realmente produzir carros em baixos volumes. Um novo e colossal custo fixo para se desenhar máquinas capazes de atender estas legislações, produzi-las e testá-las antes que um carro sequer fosse vendido, era grande demais para amadores. Apenas gente grande de verdade sobreviveria. Para reduzir este efeito deste custo fixo, a melhor maneira nunca mudou: produzir mais veículos para um dado investimento. O custo para validar um só carro é o mesmo de validar mais de um milhão de cópias dele; quantidade é tudo. Mas a indústria é global e pulverizada, a ponto de poucos veículos atingirem volumes altos individualmente. A picape Ford da série F (com quase 900 mil vendidos em 2019), o m

Matérias relacionadas

Ao volante menos é mais e Gordon Murray sempre soube disso

Juliano Barata

O ano dos barn finds: coleção com Ferrari 250 GT e outros 60 clássicos é encontrada na França depois de quase 50 anos!

Dalmo Hernandes

Motores lendários: o garboso V12 da Jaguar