A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Polimotor: a história do carro de corrida que tinha um motor de plástico

Já percebeu que a palavra "plástico" pode ter uma conotação negativa? Quando usado como adjetivo, ele qualifica algo como falso, postiço, ilegítimo. Quem gosta de flores e sorrisos de plástico, afinal? Também não ajuda o fato de os problemas com o descarte do plástico substantivo estarem impactando o meio-ambiente de um jeito igualmente negativo. Mas quando surgiu na primeira metade do século 20 — e por muito tempo depois —, o plástico se tornou desejável por sua leveza e, principalmente, resistência. De repente, todos os frágeis recipientes de vidros já não se quebravam ao escapar das mãos. Até mesmo pratos, copos e talheres de plástico eram desejáveis nestes idos tempos. Além disso, a plastificação das coisas também ajudou a reduzir custos de produção e de transporte. Lembra de como os televisores com gabinete de madeira eram pesados? Além disso, o que seria dos aparelhos eletrônicos sem estes polímeros? Ou, melhor dizendo, o que seria dos carros sem eles? Porque aind

Matérias relacionadas

Renault, Chrysler e Jeep: a relação de décadas entre as três fabricantes

Dalmo Hernandes

Scirocco: a história do VW mais legal que a gente nunca teve no Brasil

Dalmo Hernandes

Como a Prodrive se tornou uma das maiores equipes de corrida do mundo – e muito mais que isto

Dalmo Hernandes