A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Sciabola voadora: a incrível história do AMX/3

Os fãs da BMW se acostumaram a identificar os carros da marca pelo seu número de projeto; afinal de contas, um nome como “BMW 325i” pode estar pregado na traseira de um monte de carro diferente. É necessário que se diga “BMW 325i E36” por exemplo, para que uma imagem mais clara sobre o que falamos se forme. OK, ficar identificando carros por códigos internos do fabricante é coisa que denota gente meio anormal, que precisa sair mais, arrumar mais o que fazer da vida. Pelo menos é o que certamente diria um analista, antes de receitar um monte de remédio tarja preta, caso eu quisesse realmente mudar isso e marcasse uma consulta. Mas como não quero, o fato não muda: identificar BMW sem seu código é coisa para neófitos. O significado desse “E” era simplesmente “projeto” em alemão: “Entwicklung”. A numeração é sequencial, então um E36 é o sexto projeto da BMW depois do E30.  Lógico e simples. Quando se chegou no E99, ao invés do próximo ser o E100, mudou para F01, usand

Matérias relacionadas

Vista explodida: a incrível arte com miniaturas de Fabian Oefner

Dalmo Hernandes

Os desenhos e quadrinhos que não são sobre carros, mas usam carros de verdade – parte 3

Dalmo Hernandes

Vuhl 05: um carro de track day feito no México | Lasanhas sem Fronteiras

Dalmo Hernandes