A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Motos

XT600: o “trator de duas rodas” da Yamaha

Eram os anos 70, e as motos estavam mudando. Os motores monocilíndricos, até então onipresentes, começavam a perder cada vez mais espaço – mais cilindros significavam mais elasticidade, mais suavidade e rendimento muito maior. Mesmo as britânicas como Norton e BSA, antes adoradas pelos seus motores monocilíndricos grandes e potentes, começavam a render-se.

Ao mesmo tempo, a Yamaha também estava em processo de reinvenção. Até a virada da década de 1970, a gigante japonesa havia construído uma reputação excelente com seus motores dois-tempos – mais simples em concepção, mais barulhentos e menos eficientes, mas também muito fáceis de manter, giradores e elásticos.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas a maior eficiência dos motores quatro-tempos começava a representar uma ameaça real aos dois-tempos (que, bem, tinham óleo misturado ao combustível) à medida em que a preocupação com emissões e consumo de combustível ficava maior. Já em 1968 a Yamaha apresentava sua primeira moto quatro-tempos, a XS-1. Claro, as dois-tempos ainda perdurariam muitos anos – a lendária DT também foi lançada em 1968 e manteve-se em linha até 1985, afinal – mas, em última instância, se tornariam produtos de nicho.

Então, quando chegou o momento de lançar uma nova dual sport de média cilindrada, segmento então recente que andava crescendo bastante, a Yamaha decidiu ouvir sua divisão norte-americana – os Estados Unidos estavam se convertendo em grandes consumidores de motos japonesas naquela época e podiam indicar o caminho. E, contrariando a tendência na Europa e no Japão, os consultores da Yamaha nos EUA disseram que o negócio era fazer uma monocilíndrica. Os americanos, acostumados com motores monocilíndricos grandalhões e torcudos, não se importavam em ter um motor mais simples, que vibrava mais, se isto significasse mais punch na parte baixa do conta-giros.

 

Descrente, a matriz da Yamaha autorizou o projeto. E assim nasceu a Yamaha XT – sigla que significa “Cross Trail”.

A XT original, lançada em 1976, era equipada com um monocilíndrico quatro-tempos de 499 cm³ com comando no cabeçote, carburador Mikuni de 34 mm, taxa de compressão de 9,0:1 e capacidade para entregar 27 cv a 5.900 rpm. Era o suficiente para que a XT500 chegasse aos 132 km/h na estrada e garantir boas retomadas em rotações médias.

Sendo uma dual sport, a XT500 usava chassi do tipo berço semiduplo reforçado, criado especificamente para absorver as vibrações do motor em altas rotações e também suportar abusos nas estradas de terra. A suspensão ainda usava duplo amortecedor na traseira, mas já tinha mais curso que em uma moto street, o para-lama dianteiro era alto e os pneus, bem garrudos. E era uma moto leve, com 155 kg em ordem de marcha (pouco mais que uma trail pequena moderna), fácil de manobrar e muito ágil. Seu tanque de combustível de nove litros não garantia uma autonomia gigantesca, mas as outras qualidades da moto compensavam por isso.

Acessível, robusta, divertida, confortável e razoavelmente potente, a XT500 foi um sucesso imediato nos EUA – o que deixou os executivos da Yamaha respirarem aliviados. O que eles não esperavam era o sucesso da XT500 também na Europa.

Aconteceu porque a Yamaha XT500 foi muito bem no Paris-Dakar – venceu a competição em 1979 e 1980 na categoria das motos, ambas com o francês Cyril Neveu. Toda uma nova geração de motociclistas fanáticos por aventura ficaram inspirados e procuraram saber mais sobre aquela moto japonesa capaz de encarar 10.000 km no deserto. Se ela aguentava o Dakar, aguentava qualquer coisa.

Seria uma oportunidade perdida não investir na imagem aventureira da XT500. A primeira geração foi produzida até 1983 e, nesse meio tempo, deu origem a toda uma família de motocicletas. A XT250 de 1982, por exemplo, era a mais em conta – extremamente simples, sem qualquer tipo de carenagem, mas já com suspensão traseira monochoque (chamada pela Yamaha de Mono Cross), mais estável e adequada para o off-road.

À medida em que a Yamaha experimentava outros deslocamentos, foram lançadas a XT350, a XT400 e a XT550, todas muito semelhantes. O visual oitentista incluía farol pequeno e quadrado, com carenagem, e quadro pintado em cores vibrantes. Foram motos que duraram pouco tempo, no máximo três ou quatro anos. A exceção foi a XT600, lançada em 1984 – ela foi fabricada por quase 20 anos, até 2003.

Foi com a XT600 que a Yamaha deu início a uma de suas linhagens mais emblemáticas: a Ténéré, inspirada pela região de mesmo nome no sul do Deserto do Saara – onde está a árvore mais isolada do mundo, a Árvore do Ténéré.

A XT600 normal era parecida com as outras motos da família XT. A Ténéré, porém, assumia de vez a vocação para enduro – viajar para longe, pelo caminho mais difícil – com um volumoso tanque de 23 litros. Ambas dividiam, porém, uma série de melhorias em relação à XT500, como o motor de quatro válvulas por cilindro, os freios a disco e o sistema elétrico de 12 volts (e não 6 volts como era antes). O motor monocilíndrico de 595 cm³ desenvolvia saudáveis 44 cv a 6.500 rpm e levava a moto tranquilamente até os 150 km/h.

Em sua longa vida, a XT600 teve uma série de versões que mudavam pouco mais que a estética da moto. O que realmente fez a diferença foi a adoção, em 1990, de um sistema de partida elétrica na chamada XT600E – que também trouxe um novo quadro que usava o escapamento como componente estrutural, um tanque de 13,9 litros para a XT600 e rodas de aço em vez de alumínio.

Foi nesta época que a XT600 fez sucesso também no Brasil. Por aqui, ela fazia sucesso desde 1988, quando a XT600 Ténéré começou a fabricada em Manaus (AM), ainda sem carenagem frontal fixa (que só veio em 1990). Naquela época, a linha XT já era muito respeitada por sua robustez, e muitos brasileiros que procuravam uma moto de média cilindrada para longas distâncias ajudaram a tornar a Ténéré um ícone por aqui. Quando a Yamaha decidiu importar a XT600E em 1993, substituindo a Ténéré, muitos torceram o nariz.

Mas não demorou para que a novidade conquistasse o público: com 45 cv (contra 42 da Ténéré), ela era mais potente e mais veloz, passando dos 160 km/h em condições ideais, além de pesar menos e trazer a mesma suspensão confortável e robusta. Logo a XT600E ficou conhecida como “trator” pelos entusiastas, que até hoje cultuam o modelo como uma das melhores motocicletas que a Yamaha já vendeu no Brasil – onde a XT600E permaneceu em linha até 2005.

Sua substituta, tanto aqui quanto lá fora, foi a XT660R, uma moto com motor arrefecido a água e injeção eletrônica de combustível. Com a XT660R, a versão Ténéré voltou a ser oferecida no Brasil, e ambas deixaram de ser fabricadas em 2018.

 

Matérias relacionadas

Mitsubishi FTO: o cupê esportivo esquecido (com motor V6 2.0!) de Gran Turismo

Dalmo Hernandes

A história dos Porsche quatro-em-linha – Parte 2: do 944S ao 968

Marco Antônio Oliveira

Isuzu Piazza: o “Chevette” japonês que tinha um motor turbo de 180 cv

Dalmo Hernandes