FlatOut!
Image default
Car Culture

Um motor V12 biturbo de 550 cv é tudo de que a Toyota Hilux precisava

Há quem acredite – não sem evidências – que o futuro dos carros de passeio está selado, e que no próximos anos a maioria deles será substituída por SUVs e picapes (com exceção dos esportivos, claro, que continuarão sendo veículos de nicho, e um nicho muito importante). Os SUVs já dominam a preferência e os desejos do grande público há algum tempo, e nos últimos anos as picapes cresceram notavelmente em popularidade. Se isso é bom ou ruim, depende de para quem você pergunta.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas algo me diz que, independentemente de como o mercado e a indústria se comportarem daqui em diante, a cultura de preparação e modificação já começou a se adaptar a essa nova realidade proposta no parágrafo acima. E temos um case in point aqui: uma Toyota Hilux com motor V12.

É uma pena que não seja no Brasil, onde motores V12 são ainda mais difíceis de encontrar que no resto do mundo. Por outro lado, trata-se de um projeto da África do Sul – e o V12 em questão nunca foi vendido por lá oficialmente. Ou em qualquer outro lugar fora do Japão, na verdade. Trata-se do motor de cinco litros de um dos meus sedãs favoritos no mundo, o Toyota Century – aquele sedã de luxo à moda antiga que é o favorito dos oficiais do governo japonês. Seu motor V12 não foi feito para entregar força bruta, mas sim desempenho suficiente para rodar em silêncio, com segurança e conforto, e sempre com uma reserva de potência caso o chauffeur precise pisar fundo.

Toyota Century V12: é assim que os japoneses fazem (ou faziam) carros de alto luxo

Claro que o sedã não tinha dois turbos como a Hilux. Naturalmente aspirado, o propulsor do Toyota Century, denominado 1GZ-FE, tem potência declarada 280 cv – como de costume, por causa do acordo informal entre as fabricantes japonesas. A potência real é um pouco maior – 310 cv, que aparecem às 5.200 rpm, enquanto o torque é de 49 mkgf a 4.000 rpm (sendo que mais de 40 mkgf já estão disponíveis desde as 1.200 rpm). Não é o que se imagina para um esportivo, mas a palavra chave aqui é potencial: o Century com motor V12 pesa quase 2.000 kg e é capaz de ir de zero a 100 km/h em 7,5 segundos, com velocidade máxima de 210 km/h. Considerando que os motores da Toyota, tradicionalmente, são conhecidos pelo overengineering (ou seja, projetados para aguentar muito mais abuso do que costuma acontecer no mundo real) não é difícil fazer as contas: colocando dois turbos ali e fazendo as melhorias de praxe na preparação, dá para extrair bem mais que 310 cv de lá.

Aqui mesmo no FlatOut a gente já falou disso. Em 2015, mostramos um Porsche 928 equipado com o 1GZ-FE. E um dos Toyota Supra de “Smokey” Nagata, o ex-rachador que virou um dos preparadores mais famosos do planeta, tem o motor V12 do Century debaixo do capô.

A verdade sobre o Supra de 300 km/h de Smokey Nagata e sua prisão nos anos 90

A Hilux, porém, é um animal totalmente diferente. Trata-se de uma picape de competição, voltada para provas de hillclimb – o que, na opinião deste humilde escriba, a torna automaticamente mais bacana do que se fosse algo para arrancadas. Além de colocar um V12 raríssimo e difícil de conseguir em uma picape, os responsáveis pela doideira ainda colocaram a Hilux para fazer curvas!

Aliás, quem são os responsáveis? Como citado acima, trata-se de um projeto feito na África do Sul, por uma oficina chamada FatBoy Fab Works – desconfio que o “Fab” seja de fabrication, e não de fabulous. Em todo caso, os caras são uma preparadora dedicada a projetos de pista, e a ideia de fazer uma picape de corrida deve soar invariavelmente apetitosa a quem já fez todo tipo de projeto, não?

De alguma maneira o V12 do Century foi parar na África do Sul (os caras não dão muitos detalhes a respeito) – e, para alívio dos puristas, ao menos acabou no cofre de um veículo da mesma marca. A picape é uma Hilux da geração passada, com cabine simples e caçamba longa, típico veículo de trabalho.

Ao menos o espaço no cofre não foi um problema: o seis-em-linha 3.0 turbodiesel cabia lá tranquilamente e sobrava espaço. E não vá pensando que a Hilux recebeu, digamos, um chassi tubular feito sob medida, já com tudo prontinho para acomodar o powertrain e a suspensão preparada. Este seria o modo mais adequado, especialmente se fosse um projeto de rua, que precisasse de atenção redobrada para funcionar direitinho e ainda ser legalizada para circular em vias públicas.

Não, senhor: a picape foi toda montada em cerca de 15 dias – a tempo de participar de uma prova de hillclimb chamada Simola Hillclimb, no litoral leste da África do Sul. O evento aconteceu no último dia 4 de setembro, e dá para ter uma noção de como a picape soa no vídeo abaixo:

O chassi do tipo escada original da picape foi aproveitado, assim como o diferencial traseiro – que é ligado ao câmbio do Century por um cardã feito sob medida.

É lógico que o motor recebeu tratamento especial para a empreitada. A oficina deu a ele dois turbocompressores Garrett GT35 e uma ECU aftermarket da Spitronics – substituindo o genial e redundante sistema com duas ECUs do V12 (uma para cada bancada de cilindros) por algo mais voltado à performance. Com as modificações relamente simples, a picape dispõe de 546 cv e nada menos que 98,9 kgfm de torque com os turbos operando a pacatos 0,7 bar. Estes números quase dobram a força original do Century, mas a FatBoy Fab Works garante que o câmbio original do Century é capaz de aguentar muito mais sem qualquer tipo de modificação.

O restante da picape foi concluído pensando em fazer tudo funcionar – estética era a última das preocupações. Ainda assim, a Hilux ficou para lá de invocada com a suspensão mais baixa (ainda com o arranjo original, com braços sobrepostos na frente e eixo rígido atrás) e rodas de 20 polegadas com pneus Momo A-Lusion M9 275/40.

François Fritz, proprietário da FatBoy e dono da picape, diz ao site DoubleApex que a ideia passava longe de fazer uma picape para vencer a competição. Ele só queria participar do evento pela primeira vez com algo que fosse único, exclusivo e impressionante para qualquer pessoa. Ter a Hilux andando no dia do evento era a maior prioridade, tanto que os números de potência e torque foram aferidos na noite anterior ao início dos treinos.

Problemas elétricos obrigaram Fritz a levar a Hilux para os boxes mais de uma vez e seus tempos não foram exatamente impressionantes. Mas ele de fato conseguiu terminar a subida de montanha e deixar muita gente de queixo caído no processo.No fim das contas, não há qualquer razão lógica para esse swap – há literalmente dezenas de opções mais adequadas para receber um V12 de Toyota Century e dar forma a um verdadeiro monstro de hillclimb. Mas aí… não teria tanta graça, não é?