A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Citroën HY: a inovadora Kombi francesa

A Segunda Guerra Mundial foi especialmente cruel com os países da Europa. Enquanto os Estados Unidos viveram uma época de otimismo e prosperidade nos anos após o conflito, as maior parte das nações da Europa, que foi o palco principal da guerra, precisou de um tempo para recuperar-se.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

A França foi um destes países. Durante a Segunda Guerra, mais de 1.500 cidades francesas foram bombardeadas e o país ficou ocupado por quatro anos antes da liberação, em 1944. Mais de 100.000 soldados franceses morreram no conflito, outras dezenas de milhares tornaram-se prisioneiros de guerra, e muitas pessoas foram mandadas para campos de concentração.

Então, quando a Segunda Guerra terminou, a França precisava recuperar-se. Uma das necessidades cruciais era o transporte pessoal – e, por isso, como outros países europeus, a França ganhou uma série de carros populares baratos e de manutenção simples, sob medida para uma população que estava tentando se reerguer. Em meio a tudo isto, a Citroën estava desenvolvendo o compacto 2CV, como contamos aqui.

Citroën 2CV: como nasceu o carro que motorizou a França

Foi um processo longo e tortuoso, que incluiu esconder protótipos dos oficiais alemães – alguns tão bem escondidos que não foram encontrados até hoje. Com isto, embora o desenvolvimento do 2CV tenha começado ainda na década de 1930, ele só foi lançado 1948.

 

O 2CV, porém, não foi o único veículo que a Citroën fez pensando no baixo custo acima de tudo. Pouco antes de ele ser lançado, em 1947, a Citroën colocou no mercado a H Van – conhecida como a “Kombi francesa”.

Seu desenvolvimento teve início em 1943, antes mesmo do fim da ocupação. A Citroën, na época, já se preocupava em como manteria suas atividades após o conflito, quando todos na França estivessem precisando de dinheiro e lutando para se sustentar. Era preciso oferecer um veículo de trabalho que custasse pouco, fosse robusto e tivesse manutenção simples – além de oferecer a maior capacidade carga no pacote mais compacto possível.

Mas a Citroën, sendo a Citröen, não o faria da forma óbvia. E foi assim que surgiu a Citroën H Van, lançada em 1947.

Embora fosse um veículo criado para custar pouco e durar muito sob condições severas, a H Van tinha suas raízes no veículo mais caro e luxuoso da Citröen – o Traction Avant, pioneiro da construção monobloco aliada à tração traseira lançado pela marca em 1934. Ele utilizava exatamente o mesmo motor que o Traction Avant: um quatro-cilindros de 1,9 litro capaz de entregar 58 cv, ligado a uma caixa manual de três marchas. O câmbio, porém, ficava à frente do motor, e não atrás – e existe ao menos uma foto do Traction Avant com o conjunto invertido que foi usado para testes. Sim, a Citröen construiu uma mula usando seu veículo mais caro para testar uma van de baixo custo. É o carro branco da foto abaixo: note, atrás da grade, uma parte da carcaça do câmbio.

A opção por este arranjo teve a ver com o aproveitamento de espaço: com o câmbio na frente e o motor logo atrás, posicionado abaixo dos ocupantes, era possível aproveitar melhor o espaço interno deixando o assoalho todo plano. Pessoas de até 1,80 conseguiam ficar em pé, sem se curvar, dentro da área de carga. Além disso, a distribuição de massas deste arranjo era mais adequada para um veículo com as dimensões da H Van – 4,26 m na versão básica e 5,24 m na versão longa, com quase dois metros de altura. Assim como o Traction Avant, a van tinha tração dianteira, o que também liberava espaço interno.

A carroceria monobloco usava painéis de metal corrugado com uma armação de metal do tipo box section que aumentava a resistência sem acrescentar peso. Isto também permitia que o veículo fosse feito usando máquinas de estamparia das mais baratas e simples – em teoria, tornando mais fácil expandir a produção sem a necessidade de ferramental específico. Era o mesmo princípio dos aviões alemães Junker, que foram – ironicamente – a inspiração da Citroën para o uso de chapas corrugadas.

Apesar da aparência barata, quase industrial, a H Van tinha diversos outros elementos sofisticados. A suspensão, por exemplo, era independente nas quatro rodas, barras de torção nos dois eixos com quatro amortecedores na frente e dois atrás – o que tornava a dirigibilidade excelente, especialmente na versão mais curta. Em contrapartida, havia outros componentes mais simples compartilhados com companheiros de gama – os faróis, que vinham do 2CV, e o velocímetro do Traction Avant.

Como o estilo não era extremamente importante neste tipo de carro, muito pouco mudou ao longo de quase 40 anos – a Citroën H Van foi produzida entre 1947 e 1981. Por outro lado, a fabricante ofereceu uma infinidade de configurações para a carroceria a fim de satisfazer todo tipo de necessidade. Os que levariam apenas carga poderiam comprar um furgão curto ou longo.

Havia também versões de passageiros, uma picape, e uma interessantíssima variante que trazia apenas a cabine. Esta era enviada para diferentes construtores de carrocerias para transformar-se em todo tipo de veículo – camper, ambulância, micro-ônibus, food truck, carro de bombeiros e o que mais a necessidade pedisse.

Em nenhum destes casos o desempenho era destaque – a velocidade máxima era declarada em 140 km/h, mas na prática mal passava dos 100 km/h. Foram introduzidos outros motores ao longo dos anos – como um Perkins a diesel de 1,6 litro e 42 cv adotado em 1961, um motor a gasolina também com 1,6 litro e 45 cv (ambos adotados na década de 1960) disponível a partir de 1963, e um Perkins a diesel de 1,8 litro 50 cv introduzido em 1964, que ajudou a aumentar a carga útil de 850 kg para 1.000 kg. E foi assim que a H Van manteve-se até o fim de sua existência.

 

Os apreciadores do modelo gostam de lembrar que a Citroën H Van foi lançada três anos antes da Kombi – e que, apesar de a van da Volkswagen tornar-se um sucesso absurdo e ter uma vida ainda mais longa (afinal, ela deixou de ser produzida apenas em 2013, quando saiu de linha no Brasil). De fato, a Kombi utilizou algumas soluções da H Van, como a construção monobloco e o mesmo arranjo de suspensão na traseira. Também costuma-se citar como vantagem sobre a Kombi os motores mais potentes da van francesa – a Volkswagen tinha um motor boxer de 1,2 litro com pouco mais de 30 cv e capacidade de carga inferior.

A popularidade da Kombi certamente se deve à sua maior presença em mercados internacionais. A H Van teve mais de 470.000 exemplares produzidos em 34 anos, mas a grande maioria foi vendida na França e na Bélgica, sem grandes lotes exportados para outros países.

Apesar disto, seu visual marcante e sua extrema robustez garantiram que ela marcasse seu espaço como um dos veículos mais icônicos da Citroën. Tanto que, hoje em dia, é possível até mesmo comprar um kit que deixa a Citroën Jumper com a cara da H Van.

 

 

 

Matérias relacionadas

Os carros baseados no Fusca (que não deixaram de ser Fuscas)

Dalmo Hernandes

Audi 200 Quattro Trans-Am: o carro que provou que tração integral não era só para ralis

Dalmo Hernandes

Este Lotus Omega subindo montanhas de lado é simplesmente inspirador

Dalmo Hernandes